quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Doutrinar o "Tico" e o "Teco"

Cá por casa, quem partilha as emoções  do futebol através da TV sou eu. A família ocupa o tempo com outros gostos, e ainda bem (quer dizer: o Carlo também é "doente"...).
Eu,  refastelado no sofá, procuro não perder pitada da jogatina em dia de Benfica ou da seleção. O Bemfica "porque sim", é coisa minha, vem de  criança; já a seleção ... é obrigatório  "torcer" pela equipa  do país que somos.
Ontem, de passagem pelo ecrã, fiz pausa no jogo que o  FCP disputou com o Leicester. Para meu espanto, o "Tico e o Teco"  terminaram  de imediato com a "guerra  de almofadas" e  ficaram presos ao jogo!
As "crianças" são assim,  curiosas - agora tenho de as "doutrinar". Não vá o "diabo tecê-las"...
... Vai ser uma trabalheira que  nem vos conto!


sexta-feira, 23 de setembro de 2016

(...) Liberdade, liberdade, quem a tem chama-lhe sua (...)


O casal "Y" vendeu a casa, comprou uma autocaravana e fez dela residência permanente aqui, ali - em qualquer lugar do seu agrado. Agora regressou a "casa", ao Barril de Alva, para uns dias de sossego na Área de Serviço e Pernoita para Autocaravanas  - visita que repete pelo "gosto de gostar" das pessoas, do espaço e da paisagem que os olhos alcançam: "aos pés" corre o Alva, ainda calmo; a roda de alcatruzes descansa das voltas sem fim e a represa, sendo provisória, não tarda, é removida. Para a semana o rio, liberto de amarras, altera a sonoridade das suas águas. 
O casal "Y" faz da sua autocaravana residência permanente e continua por cá, em casa ...

domingo, 18 de setembro de 2016

Dizem que pedalar faz bem ao corpo e à alma...

Não sou de madrugar, deito-me tarde na noite - (quase) sempre fui da noite no exercício da profissão onde labutei décadas de música, de entrevistas e reportagens - criei hábitos que mantenho. Madrugar, sim, quando o  ponteiro das horas passa das oito. Depois desço ao rés do chão, trato do pequeno almoço   e fico na excelência da companhia da  Smooth FM...
Hje, domingo, alterei ligeiramente o horário da  (minha) manhã e fui ver passar os "corredores" de BTT que participaram na prova que  a Associação Águias do Açor levou a efeito pelos caminhos da minha freguesia. Cedo, muito cedo, abalei para o Urtigal dos meus encantos e por lá fiquei para (mais) um passeio solitário, mas não muito  -  a  "estereofonia" das águas do Alva não deixa ninguém assim, solitário...
Vieram os "corredores", os primeiros em velocidade  "supersónica", depois  os outros, os que que não cuidam de vitórias - ganhar é chegar ao fim, participar, "ver e olhar" a passagem com deleite. Dizem que pedalar faz bem ao corpo e à alma...
Na área  de descanso e abastecimento  nem todos os atletas  olharam o rio durante a pausa, que era de liberdade total - até para ouvir  a "estereofonia" das águas do Alva quando saltam o caneiro, primeiro, e depois, apressadas, serpenteiam por entre os seixos de bom tamanho...
Disseram-me que  havia três senhoras  na prova "BTT AXOR". Uma das damas entendeu que sim, que era tempo de fazer uma pausa - e fez, sorriso rasgado. "Advinhei-lhe" o prazer do momento...
Dizem que pedalar faz bem ao corpo e à alma...
- É verdade, "GM"?

quarta-feira, 7 de setembro de 2016

TZ 70, se calhar...


Quando apareceu no mercado a câmera da Panasonic TZ 60, comprei-a. Fascinado com as possibilidades de fotografar  coisas e pesoas à distância  de centenas de metros com algum pormenor, ou à distância de  centimetros com grande pormenor, meti-a no bolso e andei por aí, feito "artista". Fácil de operar,  fotografei uma libelinha em repouso, ao alcance da mão,  e a minha antiga escola primária de muito, muito longe - mais  de um quilómetro em  linha reta!
Dizia de mim para mim que era uma máquina excelente para quem viaja muito, como o Hugo, entre cá  e lá, no estrangeiro, em serviço ou merecido descanso. Vendi-lhe a TZ 60...
Entretanto surgem novos modelos, a TZ 70 e 80. Recolhidas  as informações possíveis, que apontam para a excelência  das imagens da 70,  pesquisei preços e  dei de caras  com uma loja virtual, a  "Redcoon", que oferece a "gentileza" do pagamento de   duzentos de sessenta e nove euros à troca deste modelo!  Uma pechincha, pensei - e tenho andado em visitas frequentes ao site da marca, na esperança da disponibilidade do "brinquedo"...
Há meses que leio: "Em stock dentro de 1 semana " !
Qual semana?
...A não ser que a semana não tenha "comprimento" definido, o que é uma grande chatice para acertar o (meu) calendário...

terça-feira, 6 de setembro de 2016

"...A infinita benção do recomeço"

Mal chegou a primavera, vieram as pequenas ávores,
carvalhos franceses e outras - mais de setenta!
O trabalhador contratado para a plantação destas espécies é pessoa conhecedora da arte,
com anos de experiência que lhe conferem o grau de "mestre".
Um pouco de adubo, terra solta, água quanto baste e os cuidados do "mestre" garantiam o crescimento das plantas em vários centimetros - e mais, e mais, a ponto de, em pouco tempo, alterarem a piasagem da encosta sobranceira ao rio.
Era o esperado, desde que não faltasse água nas raizes dos carvalhos,
dos pinheiros do "Oregon" (?)
e dos medronheiros.
Nos primeiros meses, seria assim: água, muita água, pelo menos uma vez por semana...
Lindos de ver, cresceram os carvalhos,
os pinheiros
e os medronheiros.
Como esperado.
Um dia de calor tórrido, outro e outro - três dias assim, assassinaram os carvalhos e alguns pinheiros!
Agora, crescem as mimosas,
talvez em homenagem a Hiram Abiff, construtor do templo de Salomão...
Não tarda, outros carvalhos franceses, 
pinheiros do "Oregon" (?) 
e mais medronheiros com
"(...) novas folhas, novas flores, na infinita benção do recomeço..." - Chico Xavier.